Deputados retiram servidores da educação de regra que congela salários na pandemia

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem (05/05), em sessão virtual, a retirada dos servidores da Educação e da defesa agropecuária da regra que prevê o congelamento de salários em contrapartida ao socorro financeiro da União aos estados e municípios em decorrência da pandemia de Covid-19.

O texto do Projeto de Lei Complementar (PLP) 39/20 aprovado no Senado no último dia 02 (sábado) penalizava todos os servidores dos três poderes com exceção dos servidores da saúde, da segurança pública e das Forças Armadas.

Liderado pelo Andes-sindicato Nacional, uma grande campanha de mobilização e pressão parlamentar foi realizada em todo o pais reforçando o papel fundamental dos docentes nas diversas linhas de enfrentamento da pandemia, inclusive nos hospitais universitários, nas pesquisas por tratamentos e kits de diagnostico, no desenvolvimento de respiradores de custo reduzido, na confecção e distribuição de EPIs, na orientação da população entre outras ações.

A emenda que resultou na retirada dos educadores foi proposta pelo Partido dos Trabalhadores e dos deputados do Rio Grande do Norte somente a deputada Natália Benevides votou contra a vinculação da ajuda ao Estados ao congelamento dos salários dos servidores.

Devido as alterações feitas pelos deputados o texto retornará para o Senado. E mesmo que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, tenha afirmado que os senadores retomarão na íntegra o projeto aprovado naquela Casa, é hora de pressionar e observar quais Senadores estão compromissados com a Educação e com as Universidades Públicas.

Pressionem os senadores do RN

• Jean Paul Prates (PT) – [email protected]
• Zenaide Maia (PROS) – [email protected]
• Styvenson Valentim (Podemos) – [email protected]

 

com informações da Agência Câmara de Notícias

Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados